Advogada cria projeto de artesanato para ajudar animais em Portugal

0
599

Catarina Beirão tem 31 anos e divide o apartamento com o coelho Tambor, o hamster Narizinho e a tartaruga Speedy Gonzalez. A estes animais dá presencialmente o seu amor, mas a muitos outros de vários pontos do país dedica horas e horas de trabalho noturno.

Através do Facebook, a advogada tomava conhecimento dos vários casos de animais em risco e não conseguia ficar indiferente.

“Do meu salário, dava cinco (euros) aqui, cinco ali, dez ali, conforme aqueles que achava que eram mais urgentes”, contou.

Mas Catarina Beirão percebeu que, sozinha, não conseguiria ajudar tanto como gostaria.

“A maneira de angariar mais fundos foi esta de, através do meu trabalho, fazer com que as pessoas comprem e ajudem”, justificou.

Inspirada por outros projetos que conheceu no Facebook, há um ano a advogada criou o Cat (h)and Love. Com a ajuda de uma máquina da costura que era da mãe, tem criado portamoedas, mantas, almofadas e “almofagatos” (almofadas em formato de gato), entre outras peças, muitas feitas em tecidos com padrões de animais.

Metade do preço de cada peça é oferecida à associação ou particular que o comprador escolher. Depois da venda, Catarina Beirão entra em contato com o beneficiário da ajuda.

“Explico o meu projeto, que um determinado comprador pretende ajudar aquela associação e eles indicam uma maneira de fazer o pagamento, normalmente por transferência bancária. Depois, entro em contato também com o comprador e digo-lhe que a ajuda já foi entregue”, contou.

As associações e particulares ajudados são de todo o país, “porque, infelizmente, os apelos e os maus tratos a animais surgem em todo o território”, lamentou.

Desde maio, Catarina Beirão tem participado em “feirinhas”, com a sua amiga Eleonora Ferreira, do projeto “Cantinho da Li”, que também ajuda animais e ao qual a advogada foi buscar inspiração.”Agora vou aumentar para 30%, até porque estamos na época de Natal e penso que, com avolumar das encomendas, poderei ajudar mais”, disse a psicóloga.

Depois das “feirinhas”, juntam o valor resultante das vendas e, em conjunto, oferecem-nos a quem mais precisa.

Catarina Beirão e Eleonora Ferreira prometem dar continuidade aos seus projetos, para que mais animais possam beneficiar da bondade das pessoas.

SHARE